Pesquisa Personalizada Google

Precisando de Ajuda?

Pesquisa Personalizada Google

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

EUA registram primeira morte em decorrência do uso de cigarros eletrônicos

 Nesta sexta-feira (23/08/2019), oficiais de saúde dos Estados Unidos confirmaram a primeira morte de uma pessoa devido a complicações causadas pelo uso de cigarros eletrônicos. A morte ocorreu no estado de Illinois e não foi revelado o nome nem o gênero do paciente, sabendo-se apenas que se trata de uma pessoa na faixa etária entre 17 e 38 anos.

Segundo informado pelos oficiais de saúde, o paciente morreu de complicações respiratórias que teriam sido causadas pelo uso prolongado de cigarro eletrônico. Ainda que esta seja a primeira morte confirmada no país por conta de uma doença causada pelo uso do aparelho, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de doenças (CDC), outras 149 pessoas nos Estados Unidos estariam doentes por causa desses cigarros, abrindo possibilidade para o surgimento de mais vítimas nos próximos meses.

De acordo com o Dr. Ngozi Ezike, diretor do Departamento de Saúde Pública de Illinois, oficiais do CDC já chegaram ao estado para investigar não apenas o paciente morto, mas também os outros 22 casos de complicações pulmonares relacionados ao consumo de cigarros eletrônicos. Para Ezike, o quantidade de casos é alarmante, e é preciso criar uma campanha de conscientização das pessoas sobre os perigos desses equipamentos.

Todos os pacientes afetados apresentam sintomas que incluem tosse, fadiga e falta de ar, além de vômitos e diarreias em alguns casos. O CDC afirma que será necessário uma investigação mais profunda para se confirmar que todos os 149 casos foram realmente causados pelo uso de cigarros eletrônicos, mas nenhum desses pacientes apresentam sinais de que seja alguma doença infecciosa (causada por vírus ou bactérias) e o que todos possuem em comum é apenas o hábito de fumar cigarros eletrônicos.[Fonte: Yahoo]

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

EUA investigam doença misteriosa ligada ao cigarro eletrônico

As autoridades de saúde dos Estados Unidos estão investigando uma doença pulmonar misteriosa em adolescentes e jovens adultos que pode ter ligação com o uso de cigarro eletrônico, o chamado “vaping”.
Há relatos de que 94 pessoas apresentaram o problema em 14 estados americanos, incluindo Califórnia, Indiana e Wisconsin. Parte dessas pessoas estão internadas em unidades de terapia intensiva, com dificuldade respiratória.

Não há evidências conclusivas de que uma doença infecciosa esteja causando a enfermidade. E, de acordo com os médicos, não está claro se os pacientes internados vão se recuperar totalmente.

homem fumando cigarro eletrônico
Crédito: HAZEMMKAMAL/istockDoença misteriosa provoca dificuldade de respirar e dor no peito

Sintomas

De acordo com o jornal britânico The Independent, os sintomas da doença incluem dificuldade para respirar, falta de ar ou dor no peito. Autoridades de saúde disseram que os pacientes também relataram febre, tosse, vômito e diarreia.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram que autoridades estão trabalhando com departamentos de saúde em pelo menos cinco estados com casos confirmados  para determinar a causa da doença.

Embora alguns dos casos pareçam semelhantes, as autoridades disseram que não sabem se as doenças estão associadas aos dispositivos de cigarros eletrônicos ou a ingredientes ou contaminantes específicos inalados através deles.

Epidemia do vaping

O uso de cigarros eletrônicos se tornou popular na última década, apesar de pouca pesquisa sobre seus efeitos a longo prazo.

Nos últimos anos, autoridades de saúde alertaram para uma epidemia de vaping entre adolescentes menores de idade.

Embora comuns nos EUA, no Brasil,  sua comercialização é proibida pela Anvisa desde 2009.  A proibição leva em consideração a falta de evidências científicas sobre a segurança desse tipo de produto. Apesar disso, é possível encontrar à venda esse tipo de cigarro em sites e em lojas no centro de São Paulo. [Fonte: Catraca Livre]

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

29 de Agosto - Dia Nacional de combate ao Tabagismo

 

Prezados (as): 


Segue cartaz alusivo ao dia 29 de agosto, Dia Nacional de Combate ao Fumo. 
Em 2019, o tema é “TABACO OU SAÚDE – O USO DO NARGUILÉ”. A campanha tem como objetivo aumentar a conscientização sobre:
• O impacto negativo que o uso do tabaco e a exposição ao fumo passivo exercem sobre a saúde.
• O papel fundamental que os pulmões desempenham na saúde e no bem-estar de todas as pessoas.



Pretende-se com essa campanha alertar a população brasileira sobre os riscos de doenças pulmonares associadas ao consumo de tabaco e de seus produtos derivados. 


POR UM MUNDO SEM TABACO
INCA -
 Instituto Nacional de Câncer
MP - DITAB - Divisão de Controle do Tabagismo

+
 porummundosemtabaco@inca.gov.br
)
 Tel.:+55 21 3207-6123, +55 21 3207-5977  

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

INCA lança manifesto por Brasil livre do tabaco


Instituto defende manutenção de resolução da Anvisa que proíbe comercialização de cigarros eletrônicos em todo o País .

Uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 2009, proibiu a comercialização de cigarros eletrônicos. Mas os fabricantes têm alegado em campanhas e promoções de tal produto, inclusive no meio científico, que trariam menos danos individuais quando comparados aos cigarros convencionais. Por outro lado, as evidências científicas revelam que cigarros eletrônicos trazem riscos de aumento de iniciação entre os não fumantes, presença de substâncias cancerígenas no vapor, evidência de danos celulares, aumento da chance de infarto agudo do miocárdio e asma. 
  
Conheça o manifesto do INCA em favor da resolução da Anvisa que proíbe o uso de cigarros eletrônicos: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//apoio_a_manutencao_da_rdc_46_2009_inca.pdf 

Fonte: https://www.inca.gov.br/noticias/inca-lanca-manifesto-por-brasil-livre-do-tabaco 


POR UM MUNDO SEM TABACO
INCA -
 Instituto Nacional de Câncer
MP - DITAB - Divisão de Controle do Tabagismo

+
 porummundosemtabaco@inca.gov.br
)
 Tel.:+55 21 3207-6123, +55 21 3207-5977  

“Queremos ser o primeiro país livre do tabaco”. A manifestação é do Ministro da Saúde e foi feita durante a cerimônia de lançamento do sétimo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a epidemia global do tabagismo, em 26 de julho de 2019, no Rio de Janeiro. Neste relatório, o Brasil foi reconhecido, ao lado da Turquia, por ter implementado, no mais alto nível, as seis estratégias propostas no pacote intitulado MPower contra o tabagismo. Continue Lendo o Manifesto Aqui!

sábado, 1 de junho de 2019

31 de Maio - Dia Mundial Sem Tabaco

O Dia Mundial Sem Tabaco – 31 de maio – foi criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. No Brasil, o INCA é o responsável pela divulgação e elaboração do material técnico para subsidiar as comemorações em níveis federal, estadual e municipal.


Para 2019, a OMS definiu o tema “Tabaco e saúde pulmonar” 




domingo, 11 de fevereiro de 2018

Cigarros terão novas imagens de advertência


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, nesta sexta-feira (15/12), a Resolução da Diretoria Colegiada 195/2017 com as novas imagens de advertência sanitária, que são obrigatórias nos rótulos dos cigarros e demais produtos derivados do tabaco comercializados no Brasil. Além de nove novas imagens de advertência padrão, que ocuparão 100% da face posterior das embalagens, a resolução apresenta novos modelos de advertências frontal e lateral e um novo modelo gráfico para a mensagem de proibição de venda para menores de 18 anos. 

As novas mensagens apresentam uma comunicação mais direta com os consumidores sobre os riscos que esses produtos causam à saúde e, também, utilizam um conjunto de cores que dão maior destaque e visibilidade para as mensagens.  As novas advertências padrão têm os temas: câncer de boca, cegueira, envelhecimento, fumante passivo, impotência sexual, infarto, trombose e gangrena morte e parto prematuro. 

Além disso, assim como a advertência frontal, passarão a ficar sobre um fundo amarelo mais chamativo, ao invés do fundo preto dos alertas anteriores. A advertência lateral continuará no fundo preto, mas terá um alerta de Perigo: Produto Tóxico, que correlacionará as substâncias tóxicas presentes no produto com itens do cotidiano das pessoas, bem como com as doenças causadas pelo seu uso. A mensagem de venda proibida para menores de 18 anos ficará em um fundo vermelho, para que haja também um maior destaque da mensagem. 
  
Adequação e fiscalização - A norma é válida para todos os produtos fumígenos derivados do tabaco, tais como: cigarros, cigarrilhas, charutos, fumos de cachimbo, fumos de narguilé, rapé, dentre outros. As mudanças entrarão em vigor em 25 de maio de 2018, mas as empresas que já quiserem, poderão se adequar antes deste prazo. 

Após a referida data, as embalagens que não estiverem de acordo com a nova Resolução não poderão ser produzidas, distribuídas, expostas à venda ou comercializadas. Também deverão ser recolhidas pela empresa detentora do registro. 

O não cumprimento da nova regulamentação implica em infração sanitária, estando os fabricantes e estabelecimentos que comercializam esses produtos sujeitos a penalidades que podem chegar a R$ 1,5 milhão.  A fiscalização é feita pelas autoridades sanitárias dos Estados e Municípios, órgãos ligados às respectivas Secretarias de Saúde. 


Veja a RDC 195/2017 
  


Convenção – Quadro 

A atualização e o uso das advertências sanitárias nas embalagens dos produtos derivados do tabaco estão previstos na Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT), adotada pelos países membros da Organização Mundial de Saúde (OMS), da qual o Brasil é signatário. Dentre outras orientações, a Convenção estabelece que os países devem adotar medidas sanitárias na embalagem e na etiquetagem de produtos de tabaco, indicando que “cada carteira unitária e pacote de produtos de tabaco, e cada embalagem externa e etiquetagem de tais produtos devem conter advertências descrevendo os efeitos nocivos do consumo do tabaco, podendo incluir outras mensagens apropriadas”. A Convenção-Quadro foi internalizada no Brasil por meio do Decreto nº 5658/2006. 


Antes mesmo da promulgação da CQCT, desde 2001, o Brasil já determinava a obrigatoriedade das advertências sanitárias sobre os malefícios causados pelo uso do tabaco nas embalagens e propagandas de produtos fumígenos derivados do tabaco, sendo o 2º país a utilizar imagens de advertência. 
  
*Tabagismo 

O tabagismo integra o grupo dos transtornos mentais e comportamentais, devido ao uso de substância psicoativa, na Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, sendo a maior causa isolada evitável de adoecimento e mortes precoces em todo o mundo. 
  
É reconhecido como uma doença epidêmica que causa dependência física, psicológica e comportamental semelhante ao que ocorre com o uso de outras drogas como álcool, cocaína e heroína. A dependência ocorre pela presença da nicotina nos produtos à base de tabaco. A dependência obriga os fumantes a inalarem mais de 4.720 substâncias tóxicas, tais como: monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído, acroleína, além de 43 substâncias cancerígenas, sendo as principais: arsênio, níquel, benzopireno, cádmio, chumbo, resíduos de agrotóxicos e substâncias radioativas. 
  
Algumas dessas substâncias tóxicas também são conhecidas como potenciais irritantes, pois produzem irritação nos olhos, no nariz e na garganta, além de paralisia nos cílios dos brônquios. Desse modo, o tabagismo é causa de aproximadamente 50 doenças, muitas delas incapacitantes e fatais, como câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas. [Fonte: INCA]

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Cigarros eletrônicos que contêm nicotina podem aumentar risco de enfarte e AVC

Cigarros eletrônicos que contêm nicotina podem aumentar os riscos de enfarte e derrames, indicam pesquisadores. Um estudo descobriu que o uso desses dispositivos contendo o estimulante pode causar um endurecimento das artérias, assim como aumentar os batimentos cardíacos e a pressão arterial.


Cientistas suecos recrutaram 15 voluntários saudáveis para participarem do experimento. Nenhum deles havia usado um cigarro eletrônico antes.
Os testes descobriram que em 30 minutos após o fumo no dispositivo com nicotina, havia um aumento significativo na pressão arterial, na frequência cardíaca e na rigidez das artérias.
Não houveram os mesmos efeitos nos voluntários que usaram os cigarros eletrônicos sem nicotina.
Magnus Lundback, do Instituto Karolinska, universidade médica em Estocolmo, afirmou:: “O número de usuários de cigarros eletrônicos aumentou dramaticamente nos últimos anos. ‘Os cigarros eletrônicos são considerados pelo público em geral como quase inofensivos”.
“As indústrias marcam seus produtos de uma forma a reduzir danos e a ajudar pessoas a pararem de fumar cigarros de tabaco. Por outro lado, a segurança de um cigarro eletrônico é debatida, e uma amostra em crescimento de evidências vem sugerindo diversos efeitos à saúde”.
Ele ressalta que os resultados são preliminares, mas que, nesse estudo, descobriram que há um aumento significativo na alteração da frequência cardíaca e da pressão arterial nos voluntários expostos ao dispositivo com nicotina.
Enquanto os resultados apontados pelo estudo foram temporários, Lundback disse que a exposição crônica aos cigarros eletrônicos com nicotina podem ter efeitos permanentes. [Fonte: Época]

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Em 30 anos, um ex-fumante pode economizar até R$ 1 milhão - 29 de Agosto

Hoje, 29 de agosto, é o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Além dos benefícios à saúde, parar de fumar um maço de cigarro por dia, economizar e investir pode gerar reserva de mais de R$ 1 milhão (R$ 1.028.274,92) em 30 anos. 
A conta é simples, se um maço custa em torno de R$ 8, um fumante que consome um maço de cigarro por dia gastará a mais, por mês, R$ 240. Ou seja, além de perder dinheiro, ainda pode perder a vida. [Fonte: DC]

Veja Mais Matérias Aqui!!!

29 de Agosto - Dia Nacional de Combate ao Tabagismo

Nunca é demais lembrar os malefícios que o cigarro provoca à saúde e esta terça-feira (29/08) é o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Justamente para lembrar a população sobre os prejuízos que o hábito de fumar provoca a todos.

Neste dia 29 de agosto, o Ministério da Saúde vai divulgar novos dados sobre fumantes passivos. 

Segundo a pasta, em 2015, 8% das pessoas que trabalhavam eram fumantes passivas. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) este hábito involuntário é a terceira maior causa de morte evitável, perde apenas para o tabagismo ativo e para o consumo excessivo de álcool. 

O cigarro é uma das principais causas de várias doenças, entre elas câncer de pulmão, infarto e enfisema pulmonar. Mas mesmo com tantos prejuízos a saúde, mais de 10% da população brasileira acima de 18 anos ainda fuma. 

José Helder, arquiteto, de 46 anos, experimentou o cigarro com 18 anos e manteve o vício por 21 anos. Com medo das consequências que o hábito poderia provocar no futuro, ele decidiu parar com o cigarro aos 39 anos. Hoje, ele sente-se muito melhor em vários aspectos da vida. 

“O que mudou foi a percepção do cheiro, principalmente, a disposição para acordar cedo melhorou bastante, o sono melhorou bastante inclusive. Todo dia, eu acho bom ter consegui parar de fumar.” 

Otaviano de Castro, publicitário, de 50 anos, é outro ex-fumante que ganhou muito mais saúde, após parar com o vício. O cigarro entrou na vida dele quando tinha 14 anos, pois seu pai fumava. Ele conta como se sentia na época que mantinha o hábito de fumar. 

“Quando eu fumava muito, no dia seguinte eu estava mais fraco, o pulmão estava mais carregado, as vezes tinha crise de asma. Fumar foi a coisa mais burra que eu já fiz na vida!”. 

Para as pessoas que ficaram animadas com os bons exemplos dos ex-fumantes, existe um site para mostrar as vantagens financeiras e na saúde de parar com o cigarro que é o www.eseeuparardefumar.com.br

quarta-feira, 17 de maio de 2017

31 de Maio - Dia Mundial de Combate ao Tabagismo

Dia Mundial sem Tabaco 2017 vai alertar para os danos ao desenvolvimento causados pela produção de fumo


É possível combinar tabaco e desenvolvimento? Para a Organização Mundial da Saúde (OMS) e diversos organismo internacionais em Saúde no mundo, a resposta é não. Por isso mesmo, o tema da campanha deste ano do Dia Mundial sem Tabaco, celebrado em 31 de maio, será Tabaco: uma ameaça ao desenvolvimento. No Brasil, a campanha é coordenada pelo INCA.
Além dos danos à saúde pública, a produção e o consumo de produtos do tabaco geram importantes impactos socioambientais pouco conhecidos pela população, como o uso de lenha para aquecer as estufas que secam as folhas de tabaco que serão utilizadas na fabricação de cigarros, o que leva ao desmatamento e ao desequilíbrio da biodiversidade em tempos de severas mudanças climáticas.
No Brasil, estudo sobre impacto econômico do tabagismo no SUS, revelou que em 2011 foram gastos R$ 23 bilhões com o tratamento de algumas das mais de 50 doenças tabaco-relacionadas. De outro lado, a arrecadação com impostos sobre cigarros (produto de tabaco mais consumido) recolhidos naquele ano foi da ordem de R$ 6 bilhões. Mas o custo do tabagismo no Brasil avaliado pela pesquisa ainda está subestimado: não incluiu o custo gerado pelo absenteísmo, perda de produtividade, despesas das famílias dentre outros gastos indiretos relacionados ao tabaco. Por isso, durante as atividades do Dia Mundial sem Tabaco, está prevista a divulgação de novo estudo com dados atualizados sobre o impacto econômico do tabagismo no Brasil, incluindo custos com perda de produtividade.
Mortes
A epidemia global do tabaco mata quase 6 milhões de pessoas por ano, das quais mais de 600 mil são não fumantes, vítimas do fumo passivo. Sem alterações de cenário, estão previstas mais de 8 milhões de mortes por ano a partir de 2030. Mais de 80% dessas mortes evitáveis atingirão pessoas que vivem em países de baixa e média renda.
Para auxiliar na contenção do problemas, os objetivos da campanha este ano são: dar visibilidade ao tabagismo como um entrave para o desenvolvimento sustentável; incentivar os países a incluírem o controle do tabagismo nas suas respostas nacionais alinhadas à Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável (conjunto de programas, ações e diretrizes que orientarão os trabalhos das Nações Unidas e de seus países membros rumo ao desenvolvimento sustentável); apoiar os estados-membros e a sociedade civil no enfrentamento da interferência da indústria do tabaco nos processos políticos que buscam reduzir o tabagismo; incentivar a participação de parceiros e da população nos esforços nacionais, regionais e globais para desenvolver e implementar planos e estratégias que priorizem as ações de controle do tabagismo; e demonstrar como os indivíduos podem contribuir para fazer um mundo sustentável, livre de tabaco, comprometendo-se a nunca usar os produtos de tabaco, ou abandonar o tabagismo.
Brasil
Entre os objetivos específicos do Brasil estão o estímulo aos coordenadores estaduais e a sociedade civil organizada para que pressionem gestores estaduais na defesa do aumento do ICMS sobre cigarros. A ideia é que parte dessa arrecadação seja destinada ao financiamento das ações estaduais para o controle do tabaco e para as instituições voltadas para o tratamento do câncer.  A campanha também quer fortalecer a parceria com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao apoiar o lançamento das novas imagens de advertência dos produtos do tabaco em desenvolvimento pela Anvisa com previsão de entrega no final de maio, dado o prazo legal que a indústria tem para substituir as antigas.
Há ainda várias denúncias sobre violação dos direitos humanos relacionadas ao trabalho infantil e trabalho penoso nas lavouras de fumo, e estudos comprovando danos à saúde do trabalhador, decorrentes da doença da folha do tabaco (intoxicação aguda pela nicotina absorvida pela pele durante a colheita) e do uso intensivo de agrotóxicos que causam, nos fumicultores e familiares, agravos como neurites crônicas incapacitantes, depressão e suicídios.


Pesquisa Google